Concelho da Amadora

Desde meados do século XX, o concelho da Amadora tem vindo a receber migrantes vindos do Alentejo e do Norte do país, para trabalhar na capital. Atualmente recebe imigrantes, sobretudo vindos dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), os quais correspondem a 76% da população imigrante do concelho. O fenómeno migratório contribui, de forma significativa, para uma heterogeneidade sociocultural da população do concelho.

A população do concelho da Amadora em 2011 era de 175.136 habitantes para uma área geográfica de 23,8 km2, mantendo-se praticamente inalterada desde 2001 (175.872). A densidade populacional da Amadora é cinco vezes maior que a da Grande Lisboa e 66 vezes maior que o todo nacional. A extinta freguesia de S. Brás tem em 2011, 26.263 habitantes

A variação da população face a 2011 é, de facto, muito pequena se considerarmos a população total (0,42%). Contudo, na população entre 0-14 anos, a diminuição já é de -1,25%, de -22,69% na população entre os 15-24 anos e de -2,83 entre os 25-64: no caminho inverso temos a população com mais de 65 anos a aumentar 33,04%. Diminui a população jovem e aumenta em 1/3 a população idosa.

Observando o nível de instrução da população residente no concelho da Amadora, verifica-se que os seus níveis de instrução acompanham, genericamente, os níveis da população instruída da Grande Lisboa, com exceção no Ensino Superior. Cerca de 52,2% da população da Amadora tem o ensino básico, (a Grande Lisboa tem 47%),16,7 tem o ensino secundário (GL tem 15,6%) e 17% tem o ensino superior (GL com 23%). A taxa de analfabetismo na Amadora é de 3,68, ligeiramente superior à da grande Lisboa que é de 3,00%. A taxa de desemprego em 2011 na Amadora é também superior à da grande Lisboa (14,96 para 12,35%).

Câmara Municipal da Amadora